domingo, 15 de novembro de 2009

Memórias de infância

Sempre tive paixão por objectos com história e quando esses objectos fazem parte da minha história a sua preservação impõem-se.

Há tempos mostrei-vos objectos de escrita, hoje trago-vos algumas peças que fazem parte das minhas lembranças de criança.



Esta é a peça mais antiga.



Esta a mais recente, será que alguém as reconhece e conhece a sua função?



Estes objectos pertenceram à minha avó e posteriormente à minha mãe. Com eles a minha avó contribuiu para o orçamento familiar.



Com esta foto será mais fácil perceberem do que estou a falar.




Estes, eram os objectos que a minha avó usava para apanhar as malhas nas meias de vidro.

As meias de vidro foram apresentadas pela 1ª vez na Feira Mundial de Nova Iorque a 27 de Outubro de 1938, até então as Senhoras usavam meias de lã, algodão e seda estas últimas muitíssimo caras, a nova fibra sintética o nylon veio revolucionar esta peça de vestuário, as meias eram muito mais baratas mais finas.

Apesar de serem muito mais baratas que as de seda estas ainda não estavam acessíveis a todas, além disso durante a Segunda Guerra Mundial a utilização do nylon nos pára-quedas, nas tendas e nos fatos quase fez parar a produção das meias , estas tornaram-se num bem escasso e impunha-se o arranjo e a recuperação das mesmas.

Qualquer unha ou prego de sapato era o suficiente para fazer correr uma malha na meia e esta tornava-se inestética.


Surgiu então uma nova profissão as Apanhadeiras de Malhas de Meia.

Lembro-me muito bem de ver a minha avó e mãe a apanharem as malhas nas meias. A meia era enfiada no copo e esticada a barbela da agulha num movimento de vai vem tecia novamente a fibra , no final da malha apanhada, rematava-se com um fio do mesmo ton.



A estas agulhas podia adicionar-se um motor eléctrico que facilitava a apanha das malhas, na minha casa nunca houve esse motor, era caro e nunca houve hipótese de adquiri-lo.

Graças a esta profissão a minha avó podia estar em casa, cuidar dos três filhos e conhecer meia cidade. Muitas eram as Senhoras que se dirigiam a sua casa para ela lhes restaurar as meias.Apesar de ter tido pouca instrução era uma pessoa culta e informada, lia bastante e era perfeita no trato e na linguagem daí que as Senhoras fossem elas mesmas à sua presença para aproveitar dois dedos de conversa, enquanto as meias eram recuperadas ao invés de mandarem as empregadas.
Fez grandes amizades e clientela nunca lhe faltou.

Hoje seria impensável alguém ter esta profissão, o custo das meias não justifica o arranjo e duvid0 que ainda haja muita gente que o saiba fazer. A minha tia Teresa sabe e tem o material necessário, mas não o faz, devia pedir-lhe que me ensinasse era giro saber fazê-lo.

4 comentários:

  1. Sempre a aprender! Nunca tinha ouvido falar de tal profissão! Muito interessante!

    ResponderEliminar
  2. Olá, sabes a minha mãe tb era apanhadora de malhas em meias de vidro e a maquineta dela é igual a essa mas em azul, outros tempos q já passaram e é bom q já n voltem mais, tudo tem a sua altura. Bom gosto muito do blog, tens uns trabalhos muito bonitos...eu vou passando...bjks.

    ResponderEliminar
  3. Eu gostava de comprar uma máquina dessas para apanhar as malhas das minhas meias
    Onde poderei encontrar uma?

    ResponderEliminar
  4. Ninguém me quer vender uma máquina dessas?

    ResponderEliminar